Brasão

brasão.gif

Desde o momento em que foi assinado o foral para a Vila de Sangalhos ( 1514 ) que as religiosas se viram obrigadas a erguer um celeiro junto do poder civil da vila, para nele recolherem as rendas que recebiam das gentes das quais eram senhorio directo. Tendo-se levantado um nos inícios do século XVI. Em 1720 e, aproveitando a permanência de canteiros e operários em número considerável para a construção da igreja, mandaram restaurar, uma vez mais, o seu celeiro e terá sido então que foram esculpidas as armas da congregação religiosa numa cartela decorativa joanina.

As armas do mosteiro de Santa Clara de Coimbra são as armas reais de Portugal na primeira parte do escudo, enquanto na segunda luzem as quatro palas de vermelho sobre fundo de ouro, brasão do Reino de Aragão cuja Ordem adoptou após a protecção que Santa Isabel, a Rainha Santa, deu ao mosteiro. Com a extinção das Ordens Religiosas, em 1834, os bens eclesiásticos passaram a fazer parte integrante do Erário Público e o celeiro das religiosas terá sido pilhado e deixado ao abandono. A construção deve ter-se deteriorado até ao último ponto e a pedra acabou recolhida por mão de particulares.